Como Ensinar Autocontrole Para Crianças


Para ensinar autocontrole para as crianças, precisamos primeiro aprender de verdade a… nos controlar! Muitas pessoas têm sérias dificuldades para manter o autocontrole e lidar com emoções perturbadoras sem perder a linha. E você?


Você acha que sabe expressar bem os seus sentimentos, principalmente os dolorosos? Você sabe bem como controlar as suas emoções e, mais importante ainda, como regular o que você está sentindo sem se reprimir?


Se essas questões são desafiadoras para nós, imagine para crianças! Dedicar algum tempo para ensinar a criança a como controlar seus sentimentos é uma das coisas mais importantes e benéficas que você pode fazer por ela.



Benefícios do Autocontrole


Então vamos lá: quais são as principais vantagens para a criança que tem o Autocontrole desenvolvido?


O Autocontrole traz vários benefícios para diversas áreas da vida da criança:

  • A criança que aprende desde cedo a regular suas emoções desenvolve maior senso positivo sobre si mesma, e isso consequentemente desenvolve nela um sentimento de satisfação e felicidade

  • Ela tem maior capacidade de prestar atenção, o foco e concentração são fortalecidos

  • Apresenta maior rendimento escolar

  • É mais comportada, carinhosa e confiante

  • Se dá muito melhor com outras crianças e adultos

  • Tem maior capacidade de resolver com tranquilidade qualquer conflito com amigos

  • É menos propensa a agir por impulso ou raiva

  • Não sofre de estresse infantil e nem é vítima de medos imaginários

Ou seja, a capacidade que a criança tem de conseguir regular suas emoções é um fator crítico para a sua saúde psicológica e sucesso na vida. Portanto, é bastante importante ensinar autocontrole para as crianças.


Mas na correria do dia a dia a questão é: COMO?



Autocontrole: Aprendendo a Regular Sentimentos


Antes de tudo precisamos compreender e aceitar que o sentimentos das crianças são, muitas vezes, intensos. Elas podem ser rapidamente tomadas por sentimentos de emoção, frustração, medo ou alegria.


Nesse sentido, precisamos fazer a criança entender que a regulação emocional é muito mais do que apenas “controlar os sentimentos”.


Regular emoções significa ser capaz de pensar sobre como lidar com os sentimentos. Como controlar a forma, positiva ou negativa, que ela reage a um sentimento. ( Isso, inclusive, vale para todos nós…)


Em resumo: queremos que as crianças tenham todos os seus sentimentos, mas que não se deixem dominar por nenhum deles.



18 Formas de Ajudar a Criança a Controlar Suas Emoções


A coisa mais importante a fazer, para ensinar qualquer habilidade emocional para uma criança, é primeiro se informar, entender as estratégias de ensino. Em outras palavras, é ter um interesse verdadeiro em aprender o que você pode fazer de melhor na educação!


A seguir você vai conhecer 18 estratégias comprovadas, eficazes, para desenvolver e fortalecer o autocontrole nas crianças.


Uma dica: conforme for lendo, tente imaginar como você pode praticar todas essas estratégias com a criança do seu jeito, na sua linguagem. Então vamos lá!

1. Ajude a Criança Pequena a Reconhecer Seus Sentimentos


Antes da criança poder aprender a controlar sua emoção, primeiro ela tem que aprender a identificar exatamente que emoção ela está sentindo, e porquê. Você pode ajudar seus filhos a observar e nomear seus sentimentos: se hoje está feliz, triste, animado, frustrado, irritado, envergonhado, surpreso, etc…


Depois de entender seu sentimento conceitualmente, a criança precisa aprender a observar a escala e a razão de suas emoções. O quanto irritada ou frustrada ela está? Por que? A intensidade do sentimento está compatível com a situação?


Quando as crianças aprendem a prestar atenção em como estão se sentindo, sabem avaliar suas emoções e a intensidade delas, elas passam a ter real autocontrole sobre seus sentimentos e seu comportamento.



2. Reserve um Tempo de Duas Vezes Por Semana, no Mínimo, Para Conversar Com a Criança Sobre Sentimentos do Dia a Dia


Conversar com as crianças sobre o que é sentir raiva, tristeza, nervosismo ou animação vai deixá-las mais à vontade para falar sobre seus sentimentos com você.


Quando a criança se sente confiante para conversar sobre emoções, elas têm maior facilidade de expressar os sentimentos sem ter que representá-los por meio de comportamentos negativos.


Portanto, precisamos reservar tempo para ouvir as preocupações de uma criança. E é claro que não podemos ouvir pacientemente quando estamos cansados, apressados, sobrecarregados ou preocupados.


Nessas conversas, faça seu filho compreender que seus maus sentimentos, embora dolorosos, não vão durar para sempre. Que através de seus próprios esforços, e com a sua ajuda, ele pode melhorar as coisas.


Esta pode ser uma das lições mais importante que podemos ensinar para nossos filhos, a lição mais essencial para a saúde emocional deles.




3. Encoraje a Criança a Falar Sobre Sentimentos Difíceis


O quanto mais cedo a criança identificar os sentimentos que são difíceis de lidar, mais fácil será para ela superá-los.


Vamos supor que seu filho seja extremamente tímido, e por isso tenha muita dificuldade em se relacionar com outras crianças.


A partir do momento que ele abertamente falar sobre isso com você, comece a explorar com ele o conceito da timidez. O que caracteriza a timidez, por que as pessoas sentem timidez? E o que pode ser feito para superar essa angústia?


Ajude seu filho a entender a fundo seu problema e a buscar soluções. Além de empoderá-lo com informações e saídas para o problema, você estará fortalecendo muito a relação entre vocês dois.



4. Priorize uma Conexão Profunda


Os bebês param de chorar quando são acalmados por seus pais. As crianças mais velhas também precisam se sentir conectadas com os pais para poderem se regular emocionalmente.


Quando observamos que uma criança está emocionalmente descontrolada, a coisa mais importante que podemos fazer é tentar nos conectar com ela por meio de orientação, paciência e amor.


Quando as crianças sentem que os pais estão muito satisfeitos com elas, elas querem cooperar mais e mais. Uma conexão profunda com os pais cria relacionamentos mais felizes e divertidos, e anula consideravelmente o mau comportamento.


Todas as estratégias, jogos e atividades que apresentamos objetivam enriquecer mais e mais essa conexão entre você e seus filhos.



5. Explique Para a Criança que a Melhor Forma de Controlar uma Emoção é Controlando o Pensamento


As emoções humanas são consequências dos nossos pensamentos, e não o contrário.


Se pensamos em coisas positivas, estamos criando sentimentos de alegria e felicidade.


Se pensamos em coisas negativas, estamos alimentando a angústia e a depressão.


No processo de controle das emoções, é fundamental ensinarmos as crianças sobre a importância de saber observar e substituir os pensamentos.


Se queremos de verdade desenvolver o autocontrole, primeiro precisamos conseguir observar e controlar o que pensamos.



6. Ensine o Autocontrole Por Meio de Jogos Educativos


Os jogos são uma forma eficaz e divertida de falar com crianças e jovens sobre sentimentos e controle das emoções. Por meio dos jogos podemos desenvolver brincando as habilidades associadas ao autocontrole.


Ensinar habilidades de desenvolvimento pessoal por meio de um bom jogo une a diversão ao crescimento, o que torna o processo de aprendizado interno leve e agradável.


Quando a criança está ativamente envolvida com um jogo, a mente dela está experimentando prazer ao lidar com novas informações e estratégias.



7. Encenação Teatral – a Prática é a Mãe da Perfeição!


Uma outra maneira interessante e divertida para ajudar a criança a imaginar formas saudáveis de lidar com diferentes emoções perturbadoras é por meio da encenação teatral.


No teatro, os atores precisam ensaiar muitas vezes até chegar à perfeição e poder estrear. Em casa, você pode brincar com a criança usando técnicas teatrais.


Escolha com ele situações específicas ( de preferência as que mais o incomoda) e brinque de criar cenas sobre essas situações.


Nas cenas vocês devem apresentar as melhores soluções de comportamento para cada situação ou emoção desafiadora.


Ao conversar com seu filho sobre diferentes emoções que ele pode sentir, e praticar com ele formas de lidar com cada uma delas, você estará preparando-o para enfrentar de forma inteligente qualquer problema futuro.



8. Ajude a Criança a Identificar e Neutralizar os Diferentes Gatilhos Emocionais que o Fazem Perder o Controle


Os gatilhos emocionais são situações que já aconteceram anteriormente e que estimulam sentimentos negativos em nós. Gatilhos Emocionais e uma das coisas que mais atrapalha o autocontrole.


Se você não sabe lidar bem com uma determinada situação, toda vez que ela acontecer irá despertar seu gatilho emocional.


Alguém rejeita você. Ou te ignora, ou te critica, ou tenta te controlar. Ou te culpa de alguma coisa que você não fez. Esses são alguns exemplos clássicos de gatilhos mentais que podem fazer todos nós – crianças, jovens ou adultos – perder a cabeça.


Mas se esses gatilhos forem examinados, eles podem ser neutralizados. O objetivo é que eles parem de nos controlar e atrapalhar.


Felizmente, há maneiras saudáveis de lidar com eles e reduzir nossas reações negativas. Para isso, precisamos estar conscientes de cada um deles.


9. Ajude a Criança a Identificar Estratégias Para se Acalmar


Ajude o seu filho a identificar diferentes estratégias que ele possa utilizar quando precisar se controlar. É importante conversar com a criança que todos nós, em algum momento, nos irritamos e perdemos o controle.


E quando isso acontece, é essencial que a gente saiba respirar fundo e saber exatamente o que fazer para ganhar tempo e recuperar o autocontrole.


Explique para a criança que o importante é fazer qualquer coisa que dê a ela tempo para retomar o controle do pensamento e conseguir substituir o pensamento que o irrita por um outro mais positivo.


Cada criança é diferente, e cada uma vai precisar de uma ação diferente para começar a se acalmar. Ajude seu filho a identificar ações adequadas para ele.


O importante é fazer algo que dê a ele tempo de pensar para retomar o controle dos próprios pensamentos: ele pode ouvir música, ir colorir ou desenhar, ir tomar banho, etc…



10. Não Tente Conversar Com a Criança Enquanto Ela Estiver Descontrolada


Se seu filho estiver no meio de um ataque nervoso, é totalmente inútil querer conversar com ele nesse momento. A chance é que vocês acabem discutindo.


Primeiro, oriente-o imediatamente a praticar umas das estratégias para ele ter tempo de se acalmar.


Não inicie conversa nenhuma sobre nada até que seu filho esteja calmo. Não vai ajudar nada se você tentar ajudá-lo a pensar enquanto ele está chateado e fora de controle.


Uma vez que ele se calma, seu filho será capaz de ouvir e pensar mais claramente.


Orientado, ele será capaz de racionalizar qual teria sido uma maneira mais adequada para lidar com a situação que o fez perder o controle.



11. Explique, Incentive e Elogie o Autocontrole


Quando você sentir que a criança manteve o controle em uma situação desafiadora, elogie.


Cada vez que seu filho sentir que recebeu crédito, merecidamente, pelo seu autocontrole, ele ganhará não só estímulo e apoio, mas autoconfiança em sua própria habilidade de se controlar.



12. Ensine Empatia, e Ajude a Criança a Ser Capaz de Reconhecer Como os Outros se Sentem


Ajudar seu filho a reconhecer e respeitar os sentimentos dos outros é outra habilidade essencial.


Quanto mais uma criança for capaz de identificar e respeitar os sentimentos dos outros, melhor equipada ela estará para lidar com suas próprias emoções.


Ao ser capaz de ouvir um amigo com atenção e respeito, ao entender as expressões faciais e linguagem corporal das pessoas, seu filho desenvolverá uma melhor compreensão dos sentimentos alheios.


Isso, por sua vez, pode ajudá-lo a interagir melhor com as pessoas, e a construir relacionamentos mais saudáveis.


Discutir eventos, histórias e programas de televisão com seu filho são maneiras de ajudá-lo com esta habilidade: “Eu me pergunto como o Ricardo se sentiu quando o professor disse isso. O que você acha?” “Será que a Lucia ficou muito envergonhada com o que aconteceu?” “Você acha que o professor brigou com vocês porque ele estava frustrado com todo mundo falando ao mesmo tempo?”



13. Valide os Sentimentos da Criança


” Querida, eu sei que isso foi decepcionante… Eu sinto muito que as coisas não funcionaram da maneira que você queria. “


Quando nós mesmos utilizamos a empatia para responder às necessidades dos nossos filhos, eles se sentem mais conectados e apoiados por nós.


É importante treinarmos a nossa própria capacidade de nos colocar no lugar deles.

Algo que para nós pode parecer uma grande bobagem pode ser de extrema importância para nossos filhos, principalmente na idade e no momento de vida deles.


Quando validamos os sentimentos dos nossos filhos, sem permitir exageros emocionais, eles se sentem mais seguros para aprender que a emoção negativa pode ser superada.

Isso fará com que eles se sintam um pouco melhor, e mais abertos para cooperar no desenvolvimento da própria resiliência.



14. As Crianças Desenvolvem o Autocontrole de Forma Mais Eficaz Quando Elas Estão Confiantes de Que Seus Sentimentos Serão Ouvidos


Quando uma criança tem a segurança de que seus sentimentos e preocupações serão considerados e compreendidos, suas emoções se tornam menos urgentes e dramáticas. Cada decepção e frustração é menos dolorosa, menos “catastrófica”.


A criança com essa segurança será menos insistente na sua necessidade de atenção, e mais aberta e flexível na busca de soluções para seus problemas.


Ela ficará menos propensa a desenvolver culpa e negação. Ela será mais capaz de sentir empatia e preocupação com os outros, e assumir a responsabilidade por suas ações.



15. Oriente o Comportamento, Mas Evite a Punição


Castigos, consequências negativas ou alguns tapas não dão às crianças a ajuda que elas precisam para lidar com suas emoções ou melhorar seu comportamento.


Na verdade, a mensagem que elas recebem quando são punidas é que as emoções que as levaram a se comportar mal são ruins.


Então, em vez de encarar o que sentem, as crianças tentam reprimir essas emoções, e sua “mochila emocional” fica ainda mais cheia.


E o problema não é a necessariamente emoção em si, é a forma como a criança lida com ela.


Por mais incrível que possa parecer, a punição geralmente leva a mais mau comportamento . Os sentimentos negativos continuam borbulhando para fora da “mochila emocional”, e seu filho se torna cada vez mais desobediente e agressivo porque não consegue controlar a emoção negativa que o fez se comportar mal.


Em vez de punir, ajude seu filho a manter-se no caminho certo por meio da disciplina positiva.



16. A Importância de Impor Limites para a Criança


“Você pode estar louco de raiva, mas de forma alguma eu vou deixar você bater no seu irmão ou em quem quer que seja!”


Validar as emoções da criança não significa ser compassivo e deixar ela fazer a loucura que quiser.


Precisamos sim deixar nossos filhos seguros o suficiente para sentir suas emoções e aprender a lidar com elas, mas claro que precisamos deixar claro os limites para suas ações.


Por mais incrível que possa parecer, a maioria das crianças que tem mau comportamento não tem pais agressivos, muito pelo contrário.


São filhos de pais compassivos e generosos, que têm dificuldade em dizer não e colocar limites claros. E limites claros são uma referência fundamental para a criança aprender a se comportar.



17. Cuidado Para Não Tratar a Criança Como se Ela Fosse Adulta, e Nem Exigir Demais Dela


Quando as crianças vivem sob constante preocupação de que não são capazes de satisfazer as necessidades e exigências dos pais, elas começam a viver um terror interno.

E externamente se tornam carentes, mandonas e exigentes.


Mas o que é ainda pior para o seu desenvolvimento: elas param de contar para os pais sobre seus problemas e seus medos.


Elas tem vergonha de mostrar sua vulnerabilidade para os pais. Elas sentem que precisam se manter em um estado de defesa.


A partir de então elas não conseguem relaxar e enfrentar coisas que as assustam de forma saudável. Fica mais difícil resolver conflitos com colegas ou correr riscos tentando coisas novas.


18. Ensine Pelo Exemplo e Observe Suas Próprias Estratégias de Autocontrole


As crianças aprendem nos observando, e são muito rápidas em assimilar e imitar comportamentos – sejam eles bons ou ruins.


Quando gritamos, elas aprendem a gritar. Quando falamos respeitosamente, elas aprendem a falar respeitosamente.


Seja um modelo positivo e fique atento para executar na prática o que você ensina na teoria.


Precisamos estar cientes de que nossos filhos estão nos observando até mesmo quando não nos damos conta, e que precisamos seriamente saber como nos acalmar e manter o controle na frente deles.


Toda vez que você estiver com raiva de alguma coisa, e mostrar para seu filho o que você está fazendo para se controlar, você está ensinando sobre a regulação emocional. (E a maioria de nós ainda está trabalhando nisso em nós mesmos!)

Queridos Pais e Professores,


as crianças desenvolvem a segurança emocional e habilidades de caráter em uma atmosfera de consideração positiva com limites justos e consistentes.


Para que seu filho se desenvolva como um indivíduo seguro, amoroso e resiliente, valorize seu comportamento positivo, elogie suas realizações, escute suas preocupações com atenção, demonstre paciência quando ele comete um erro, incentive seus talentos e interesses, mostre consideração por seus sentimentos.


Essa é a fórmula do amor incondicional!

Este material está protegido pela Lei 9.610 de Direitos Autorais. A reprodução desse conteúdo em sites, blogs, jornais ou qualquer veículo de distribuição e mídia só poderá ser feita mediante prévia autorização do IASEA. 

  • White Facebook Icon
icon location.PNG